Crónicas do Professor Nuno Sotto Mayor Ferrão

Agosto 31 2011

 

 

 

A nobre e bela vila da Ericeira, que acolhe de forma hospitaleira os turistas nacionais e estrangeiros (estes atraídos, em grande parte, pelo marketing do “surf”), realizou este ano, nos dias 19, 20, 21, 22 de Agosto, as Festas em homenagem de Nossa Senhora da Boa Viagem, padroeira dos pescadores que se recolhe na capela altaneira à praia de onde partem as embarcações. Estas Festas populares têm como máximo expoente a procissão marítima, singular, em honra da sua padroeira que promete proteger os seus afoitos navegadores contra as vagas atlânticas que, saindo do porto da Ericeira, atravessam.

 

Numa crónica anterior, intitulada “Ericeira, uma vila pitoresca de sublime beleza”, já enfatizei alguns aspectos que singularizam e tipificam esta bonita vila da região Oeste de Portugal. Convém lembrar que esta localidade piscatória se tornou uma importante estância balnear desde a 1ª República, que viu instalarem-se aqui para veraneio várias famílias das elites da sociedade portuguesa.

 

José Ministro dos Santos, Presidente da Câmara Municipal de Mafra, tem investido numa política turística que projectou a Ericeira como um dos pólos mundiais de “surf”. Esta estratégia turística tem passado por especiais cuidados urbanísticos que tornam muito cómoda a estadia dos visitantes. Assim, as entidades locais, desde longa data[1], têm criado e impulsionado recintos pitorescos (miradouros, bancos públicos, recintos recreativos, etc.) que dão aos turistas uma sensação de paradisíaco acolhimento. Na Ericeira as preocupações ecológicas têm estado na ordem do dia, por esta razão existem inúmeros “ecopontos” e recipientes de lixo com múltiplas versatilidades em termos de reciclagem de diversíssimos materiais (pastilhas, cigarros, roupas, etc).

 

É, também, de destacar o empenho autárquico no saneamento da costa marítima perto da Ericeira, que a fez ganhar espaço entre as praias com bandeira azul, em particular a praia do Sul que pela sua importância histórica tem recebido nos últimos anos vários melhoramentos. Aliás, ainda me recordo de ver o caminho pedonal, de acesso à praia do Sul, parcialmente destruído pela força das vagas marítimas durante os Invernos mais rigorosos do fim do século XX. Foi, igualmente, uma excelente iniciativa a restrição da circulação automóvel no centro da Ericeira (Praça da República e suas imediações), uma vez que permitiu alargar as zonas pedonais para que os turistas e os peões pudessem desfrutar da beleza das casas típicas portuguesas e os recantos emblemáticos que lá se podem encontrar.

 

Na verdade, a vila merece ser conhecida nos seus mil e um lugares paradisíacos, através de passeios a pé, com pequenas histórias para contar e ricos elementos do património edificado para contemplar[2]. A envolvente regional, paisagística e arquitectónica[3], também não é de menosprezar.

 

Para apreciar o recorte costeiro, observando a disposição anímica do mar, as névoas oníricas lembrando a lenda de D. Sebastião ou um encantador pôr-do-sol, digno dum ensaio pictórico ou fotográfico, vale a pena percorrer a pé os lindos passeios turísticos que partem da Ericeira, como se esta tivesse os braços abertos ao mar, em sinal do seu destino, em direcção ao Sul rumo à praia da Foz do Lisandro ou em direcção ao Norte rumo à praia dos “surfistas”, denominada Ribeira de Ilhas. Além desta extraordinária beleza poética, que a Ericeira pode desvendar aos visitantes, há outra dimensão que pode atrair os turistas.

 

Com efeito, a intensa vida social, marcada por um espaço circunscrito e por gerações que veraneiam nesta terra de “pergaminhos históricos”, pode ser outro pólo de atracção. Em Agosto, como salientámos, as Festas Populares em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem fazem confluir gentes da região e do país em romaria ou em passeio lúdico. No entanto, em boa parte do ano, nos fins-de-semana ou nos períodos de férias, nos inúmeros cafés do seu centro histórico, em particular perto do “Jogo da Bola” (Praça da República) reúnem-se famílias e amigos de longa data em amenas cavaqueiras, num espaço privilegiado de convivência e de comércio. A par dos cafés, como locais paradigmáticos de convívio, importa realçar a qualidade dos espaços de restauração que se dedicam ao pescado e ao marisco de grande abundância nesta vila de tradições pesqueiras.

 

Em síntese, a Ericeira pela sua privilegiada localização geográfica é um memorável “bilhete-postal” para o turista percepcionar a missão de Portugal no mundo: a abertura ao mar como espaço de vastos recursos naturais, de união entre povos, de destino histórico da pátria e de evasão poética que pode insuflar de inspiração lírica a alma dos turistas em fuga da pequenez materialista desta Globalização claustrofóbica! Vale bem a pena respirar os ares salubres da Ericeira num passeio turístico que tem condições para ser memorável. Fica a sugestão.

 

Nuno Sotto Mayor Ferrão



[1] Por exemplo, a Comissão de Iniciativa de Turismo da Ericeira nos anos 20 do século passado procurou embelezar com vários recantos pitorescos a vila.

[2] Tem-se desenvolvido uma interessante bibliografia sobre a Ericeira promovida pela Editora Mar de Letras, em grande parte com o apoio documental existente no Arquivo da Santa Casa da Misericórdia da Ericeira.

[3]A serra de Sintra, o Cabo da Roca, a Tapada de Mafra e o seu respectivo Palácio Nacional contam-se entre os sítios notáveis que se situam na vizinhança desta insigne vila da Ericeira. 

                        

 


Olá! Adorei seu blog, muito criativo! Também tenho um blog e gostaria que vc desse uma olhada. O endereço é: http://www.criticaretro.blogspot.com/ Passe por lá! Lê ^_^
Le a 31 de Agosto de 2011 às 19:46

Agradeço a simpática apreciação que faz deste nosso espaço de partilha de ideias e de cultura. Tive oportunidade de passar pelo seu fantástico blogue, que nos mostra a sua predilecção cinéfila. Para todos os cinéfilos, que gostam de filmes clássicos, é um espaço que recomendo.

Saudações cordiais, Nuno Sotto Mayor Ferrão

Crónicas que tratam temas da cultura, da literatura, da política, da sociedade portuguesa e das realidades actuais do mundo em que vivemos. Em outros textos mais curtos farei considerações sobre temas de grande actualidade.
Mais sobre mim
Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
30


Posts recentes

EVOCAÇÃO DO CENTENÁRIO DA...

QUADRAGÉSIMO ANIVERSÁRIO ...

BIBLIOGRAFIA DE NUNO SOTT...

LUÍSA TODI (1753-1833) UM...

A ESTRATÉGIA SOLIDÁRIA, D...

AS POLÉMICAS DA EFICÁCIA ...

HEITOR VILLA-LOBOS (1887-...

A FÉ E A CIÊNCIA – LINGUA...

NELSON MANDELA (1918-2013...

A ÉTICA E O SISTEMA FINAN...

A REVISTA BROTÉRIA (1902-...

LANÇAMENTO DA REVISTA “NO...

100.000 ACESSOS NO BLOGUE...

A GESTÃO AUTÁRQUICA E O P...

DO INCONSCIENTE HUMANO DE...

CENTENÁRIO DO NASCIMENTO ...

BIBLIOGRAFIA ATUALIZADA D...

AS MEMÓRIAS DE GIACOMO CA...

A FUNÇÃO SOCIAL DOS INTEL...

ALFREDO KEIL, COMPOSITOR ...

4º ANIVERSÁRIO DO BLOGUE ...

CALOUSTE GULBENKIAN COMO ...

AS CLÁSSICAS TESES HISTOR...

O HISTORIADOR JOSÉ MATTOS...

CENTENÁRIO DO NASCIMENTO ...

OS MOVIMENTOS GREVISTAS N...

A ÁGUIA (REVISTA 1910-193...

A PERIODIZAÇÃO DO EMERGIR...

“O IMPULSO ROMÂNTICO” COM...

MO YAN, A DIVINA COMÉDIA ...

O FRANCISCANISMO E SUA AT...

BIBLIOGRAFIA DE NUNO SOTT...

A CRIATIVIDADE ESTÉTICA P...

DADOS ESTATÍSTICOS DO BLO...

A DOUTRINA SOCIAL DA IGRE...

O SENTIDO MELÓDICO DO COM...

FATORES CONTEXTUAIS DO CO...

PORTUGAL, PÁTRIA DE POETA...

O SUBSTRATO VIVENCIAL DA ...

JOÃO DOMINGOS BOMTEMPO (1...

OS ATUAIS IMPASSES DA UNI...

ARTE E "ROMANTISMO" EM VE...

HISTÓRIA DO CONCÍLIO VATI...

DOMENICO SCARLATTI, UM CO...

“A EUROPA EM CRISE” DE JO...

PONTE DE LIMA E OS SEUS E...

LEITURAS DE VERÃO (I) – V...

3º ANIVERSÁRIO DO BLOGUE ...

O SÉCULO XXI – A ERA DAS ...

O DEBATE POLÍTICO PORTUGU...

Links
Pesquisar
 
Tags

todas as tags

Contador estatístico sitemeter ( desde 12/2/2010)
Rádio COMERCIAL
LICENÇA: TODOS OS DIREITOS DOS TEXTOS RESERVADOS
PREVISÃO DO TEMPO
blogs SAPO